quinta-feira, 17 de junho de 2010

Exorcismo Real de Anneliese Michel!!!!!


Anneliese Michel , nascida em 21 de setembro de 1952 , em uma pequena cidade da Baviera.

Filha de Josef e Anna, a mais nova de 4 irmãs, pais humildes de uma família católica.

Todas tiveream criação religiosa e uma vida aparentemente normal, até que em 1968 o quadro começou a mudar.

Sem aviso algo mudou em sua vida em um dia não especificado desse ano, quando ela começou a tremer e percebeu que não tinha mais controle sobre seu próprio corpo ela rezava quando teve esse ataque. Não foi possível localizar seus pais e nem suas irmãs, depois do tratamento emergencial, um neurologista da Clínica Psiquiátrica Wurzburg, na Alemanha, a diagnosticou com o “grande mal” da epilepsia.

Devido à forte apreensão e depressão que se seguiu, Anneliese foi internada para tratamento no hospital, onde foram indicados medicamentos para epilepsia e ela ficou em observação.
Ela entretanto começou a relatar visões durante os ataques ( seus músculos se tornavam rígidos, seu tórax inchava e ela se contorcia com força desproporcional ao seu tamanho) . Visões essas de criaturas demoníacas que davam ordens à ela e diziam que ela “ferveria no inferno” caso não fosse obediente, assim ela se voltava cada vez mais para as suas orações.

Gostaria de dizer aqui ela citou essas alucinações visuais e auditivas apenas uma vez aos médicos, e foi tratada com desdém. Mas com a impossibilidade deles a ajudarem ( seu quadro visivelmente piorava) a família também se voltou à religião, procurando algum padre ou pastor ( se tivesse uma dessas igrejas evangélicas de garagem ela teria sido curada quase que automaticamente, desde que a família pagasse os 10% , claro).

A igreja no entanto negou quando, 1973 , uma mãe desesperada pedia ajuda ao padre de sua paróquia. Ele alegou que , para que fosse feito o exorcismo, era necessário que se provasse a possessão e alguns dos requisitos são, aversão a objetos religiosos, falar em línguas a pessoa nunca aprendeu e poderes sobrenaturais.

Estamos agora em 1974, quando o Pastor Ernstita Alt que visitou a casa da familia pediu permissão ao Bispo de Wurzburg, permissão que foi negada por um superior almofadinha que nem se dignou a visitar a moça e que ainda por cima recomendou que a garota deveria ter uma vida religiosa para encontrar a paz ( Mal sabe ele que a possível possessão tenha possivelmente ocorrido devido à formação religiosa dela. Acredito que, se ela fosse budista, esse tipo de entidade não “tomaria conta” dela.)

Ela continuou piorando….Ela não se alimentava mais da comida da mãe, dizia que os demônios não permitiam, dormia no chão, quebrava todos os símbolos religiosos que apareciam na sua frente, insultava mordia e agredia todos que se aproximavam, comia aranhas moscas e carvão, bebia a própria urina estava em uma situação realmente degradante. Mas piorou. Começou a se mutilar, e seus gritos eram ouvidos durante horas.

Em setembro de 1975 o Bispo de Wurzburg, Josef Stangl, finalmente verificou a gravidade da situação e ordenou ao Padre Arnold Renz e ao Pastor Ernstita Alt a praticar um “grande exorcismo” em Anneliese.

A base para este ritual foi o “Ritual Romanum” criado no século XVII e que era ainda válido legalmente. Verificaram em conversar com a possuída devia ser salvada de vários demônios, incluindo Lúcifer, Judas Iscariote, Nero, Caim, Hitler e Fleischmann, um padre excomungado do século XVI, e algumas outras almas atormentadas que se manifestavam através dela. A partir de Setembro de 1975 até Julho de 1976 ele executou uma duas sessões de exorcismo por semana.

Os ataques eram por vezes tão forte que a franzina garota precisava ser sustentado por três homens e tiveram de amarra-la diversas vezes. Durante este tempo, Anneliese de volta à vida, de certa forma, normal, Voltou pra faculdade de pedagogia que cursava na Academia de Wurzburg e ia à igreja.

Os ataques, porém, não param. Na verdade, o seu corpo se paralisava e caia inconsciente logo depois. O exorcismo continuou ao longo de muitos meses, sempre com as mesmas orações e feitiços. Às vezes, presentes no ritual haviam membros da família e alguns visitantes, incluindo um casal que alegou ter “descoberto” Anneliese. Durante várias semanas, Anneliese se recusou a comer e seus joelhos foram arruinados por causa de 600 flexões que fazia obsessivamente durante cada sessão. Foram feitas mais de 40 gravações durante o caso, a fim de preservar os detalhes.

O ultimo ritual foi em 30 de junho de 1976. No dia seguinte a mãe registrou o falecimento da filha.

Seus pais, o pastor e o padre foram julgados e condenados por negligência, e cumpriram apenas seis meses de reclusão.
Para os legistas ela morreu de fome e que , se a familia a obrigasse a se internar ou ao menos a comer algo, ela sobreviveria.
Suas ultimas palavras para a mãe foram “Mamãe estou com medo”.

Hoje ela é vista como uma pessoa santa, seu tumulo é local de peregrinação e muitos a reverenciam por sua força ao lutar contra o demônio, em aguentar toda aquela provação.

Abaixo segue algumas fotos em uma montagem com o audio original de uma das sessões, de uma época que falar linguas estranhas em transe era coisa do mal.

Essa história inspirou o filme “O exorcista” e o julgamento dos acusados o filme “O exorcismo de Emily Rose ” .

Quando esse primeiro foi lançado houve um surto de “possessões” , mais uma prova de que as pessoas sofrem sim influências externas. Vejo sempre exemplos assim..Se uma FDP resolve, por exemplo, abandonar uma criança na lata de lixo, sempre vemos vários casos semelhantes nas semanas seguintes.

Somos só imitadores, ou há realmente algo além?

Via: Cachorro Solitário

Postar um comentário

COMENTE!!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...