segunda-feira, 3 de maio de 2010

Os homens mais duros de matar da história

Se você acha que aquela história de levar vários tiros, coices de cavalo, ser atropelado por uma colheitadeira e continuar vivo só acontece com os vilões de filmes de suspense, saiba que isso não é verdade. Confira na nossa lista oito homens que desafiaram as leis da natureza e sobreviveram a múltiplas tentativas de assassinato, bombardeios, quedas de avião e várias outras quase-mortes.

1 – Adolf Hitler: sobreviveu a mais de 50 conspirações de assassinato

Líder dos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial, Hitler foi responsável pelo assassinato de aproximadamente seis milhões de judeus, além de dois milhões de poloneses e quatro milhões de pessoas consideradas “indignas da vida”, como pessoas com deficiências físicas e mentais, homossexuais, romenos e muitos outros.
Portanto, não é surpreendente que ele tenha sofrido tantas tentativas de assassinato: a primeira delas aconteceu em 1921, quando atiraram contra ele depois de um discurso. Na Varsóvia, em 5 de outubro de 1939, o exército polonês tentou explodir o carro de Hitler, mas a bomba não explodiu. Outra curiosa tentativa de assassinato foi a de soldados estadunidenses, que planejavam jogar material pornográfico para Hitler, tentando deixar o puritano louco. Este plano não foi levado até o fim, e nenhum dos outros funcionou para matar o ditador. Acredita-se que Hitler tenha cometido suicídio junto a sua esposa, Eva Braun, no dia 30 de abril de 1945.

2 – Grigory Rasputin: foi envenenado e espancado, levou quatro tiros e finalmente morreu afogado

O místico Rasputin se inseriu na família real russa no início do século XX, e ganhou a confiança da czarina Alexandra Frdorovna ao supostamente salvar seu filho da hemofilia. As lendas sobre a sua morte são tão misteriosas quanto a sua vida. A primeira tentativa de assassinato sofrida por Rasputin foi em 29 de junho de 1914, quando ele foi atacado por Khionia Guseva, uma ex-prostituta. Ela deu uma facada no abdômen do místico, e suas entranhas saíram do corpo, no que parecia ser uma ferida mortal. Entretanto, depois de uma cirurgia, Rasputin se recuperou do ferimento.
Já em 16 de dezembro de 1916, um grupo de nobres que acreditava que a influência de Rasputin sobre a czarina estava muito intensa tentou matá-lo novamente. Desta vez, serviram a ele bolo e vinho cheios de cianeto, suficiente para matar cinco homens. Como isso não foi suficiente para acabar com a vida de Rasputin, o príncipe Felix Yusupov, um dos conspiradores, atirou nas costas do inimigo, que caiu no chão. Quando o grupo de conspiradores voltou, Rasputin abriu os olhos e atacou Yusupov, tentando escapar. Yusupov e os outros então perseguiram o mágico, e atiraram nele mais duas vezes e foi espancado. Para terem certeza que ele não tentaria escapar novamente, os homens amarraram Rasputin em um cobertor e o jogaram no rio Neva.
Seu cadáver foi encontrado com o braço direito para fora da amarração, o que mostra que ele ainda estava vivo quando caiu na água, e ainda tentou se salvar. Uma autópsia mostrou que a causa da morte foi afogamento e que somente o veneno deveria ter sido suficiente para matá-lo
.

3 – Fidel Castro: sobreviveu a 638 tentativas de assassinato – até agora

Fidel Castro é definitivamente um dos homens mais difíceis de matar no planeta, ou pelo menos um dos que sofreram mais tentativas de assassinato. Fabian Escalante, que trabalha como segurança pessoal do presidente de Cuba há muito tempo, estima que as tentativas e esquemas de assassinato planejadas pela CIA, agência de inteligência estadunidense, somam 638. algumas das tentativas incluem um charuto explosivo, um maiô infectado com fungos e um clássico tiroteio no estilo mafioso.
Uma das tentativas foi feita pela ex amante de Castro, Marita Lorenz, que ele conheceu em 1959. Ela concordou em ajudar a CIA a colocar uma comida envenenada no quarto de Castro. Quando ele percebeu a farsa, ele teria dado uma arma a ela e falado para ela atirar – o que ela não teve coragem de fazer. Castro uma vez disse que “se sobreviver a tentativas de assassinato fosse uma prova olímpica, eu ganharia a medalha de ouro”. Aos 83 anos e aposentado, é pouco provável que Castro sobreviva à tentativa n° 639, mas nunca se sabe…

4 – Hussein da Jordânia: sobreviveu a 12 tentativas de assassinato e uma vez foi salvo por uma medalha em seu bolso

Hussein bin Talal foi rei da Jornânia desde a abdicação ao trono de seu pai, em 1952, até a sua morte, em 1999. Durante o seu reinado, ele sofreu ao menos 12 tentativas de assassinato, a maioria durante as décadas de 50 e 60. A primeira tentativa ocorreu em 1951, quando um extremista palestino abriu fogo contra Hussein e seu avô, que morreu. Hussein perseguiu o atirador, que atirou novamente contra ele, que só sobreviveu por causa de uma medalha que tinha em seu uniforme. Em 1970, o rei sobreviveu novamente a outra tentativa de assassinato a tiros. Depois de várias tentativas de assassinato frustradas, Hussein morreu de câncer aos 63 anos, em 1999.

5 – Zog da Albânia: sofreu 55 tentativas de assassinato

Zog I, Skanderbeg III foi rei da Albânia desde 1928 até 1939. Durante seu curto reinado, ele sobreviveu a 55 tentativas de assassinato. Uma delas ocorreu em 1931, quando ele visitava uma casa de ópera em Viena. Ele só sobreviveu a esse ataque ao atirar contra as pessoas que atiravam contra ele, com uma arma que sempre carregava.


6 – Yasser Arafat: escapou ileso de inúmeros bombardeios e a um acidente aéreo
Mohammed Abdel Raouf Arafat al-Qudwa Al-Husseini, mais conhecido como Yasser Arafat, foi um dos líderes mais destacados dos palestinos. Em 1985, ele sobreviveu a uma tentativa de assassinato quando a força aérea israelense bombardeou a sede do seu governo, que deixou 73 pessoas mortas. Ele também sobreviveu a um acidente de carro e outro aéreo, quando seu avião caiu devido a uma tempestade de areia no deserto da Líbia e, 1992.
Apesar de todas as tentativas, o líder palestino morreu aos 75 anos, em 2004, em um hospital em Paris. Ainda assim, como a causa da morte nunca foi divulgada, existem várias teorias conspiratórias sobre a morte de Arafat.

7 – Alexander II da Rússia: depois de várias tentativas, morreu com plano que contava com 3 bombardeios-reserva

Alexander II foi Czar da Rússia de 1855 até seu assassinato, em 1881. Em 1866, ele sofreu a primeira tentativa de assassinato. Para comemorar a sua sobrevivência, que ele chamava de “o evento de 4 de abril de 1866”, foram construídas várias capelas e igrejas em várias cidades russas. Na manhã de 1879, o czar sofreu uma tentativa de assassinato em uma praça, quando um homem atirou várias vezes contra ele, sem acertá-lo. Em dezembro do mesmo ano, o grupo revolucionário Narodnaya Volya organizou uma explosão em uma linha ferroviária, mas não acertaram o trem em que o czar estava. Em 1880 um membro do mesmo grupo revolucionário causou uma explosão em que onze pessoas morreram e 30 ficaram feridas – mas o czar não se feriu, pois estava atrasado para o jantar onde a explosão ocorreu.
Finalmente, em 13 de março de 1881, Alexander morreu: por muitos anos, ele visitava a Guarda Real nos domingos de manhã. Ele viajava em uma carruagem fechada, com vários seguranças. No caminho a Manezh, um membro do Narodnaya Volya jogou uma bomba sobre a carruagem do czar, que machucou o cocheiro e pessoas na calçada e matou um dos seguranças, mas não causou nada ao czar. Alexander saiu da carruagem, seguindo instruções de seus seguranças, que diziam para ele sair da área do ataque. Foi então que outro membro do grupo revolucionário jogou outra bomba, que caiu aos pés do czar, e finalmente o matou. Depois a polícia descobriria que havia um terceiro revolucionário no meio da multidão, munido de mais uma bomba, caso os outros dois fracassassem.

8 – Gabriel Garcia Moreno: teve a mão decepada, levou cinco tiros e ainda teve tempo de gritar que “Deus não morre”
Moreno foi presidente do Equador em 1861 e foi reeleito três vezes – na terceira vez, ele considerou que aquilo seria sua sentença de morte, e até pediu a benção do Papa. Em 6 de agosto de 1875, ficou provado que Moreno estava correto: ao sair da igreja que ele freqüentava, um grupo de homens o atacou: Faustino Rayo, líder do grupo, atacou Moreno com um facão, enquanto o resto do grupo abria fogo contra o presidente. Caído no chão com a cabeça sangrando, o braço esquerdo decepado e com o braço direito destruído pelos golpes, ele ainda conseguiu reconhecer os homens que o atacavam. Alguns relatos dizem que ele suspirou as últimas palavras, outros dizem que ele gritou, mas todos concordam que elas foram “Dios no muere” – “Deus não morre
Postar um comentário

COMENTE!!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...